Rébus Straßenstand – Fluc, Viena

Tem duas coisas que eu gosto especialmente quando monto a banquinha da Rébus e mostro os trabalhos dos amigos e colaboradores: uma é a sensação de estar junto, outra é sentir que a pessoa para quem falo sobre os trabalhos sente o prazer das ideias representadas ali naqueles impressos. Na instalação montada na exposição Der Geschmack des Individuellen, com curadoria da Ursula Maria Probst, além de ter a banca, mostrei os videos de edições passadas da Rébus: “A Debutante” e “Negócio do Diabo”. Para fechar, incorporei minha persona DJ Miss Seda. O Fluc é um club underground dedicado a arte, performances e música, bastante sensacional e também um dos  mais importantes projetos culturais alternativos de Viena. Foi tudo muito bom e divertido!!

O nome Rébus Straßenstand faz referência aos camelôs do Rio de Janeiro. A base, que é um clássico da Carioca, foi feita pelo Itamar da Barraca. Participam da banquinha as Editoras Voadora e Fada Inflada, além dos impressos de Alex Hamburger, Caroline Valansi,Cláudia Hersz, Daniela Mattos, Dri Simões, Elaine Pauvolid, Fabíola Trinca, Gab Marcondes, Kadija de Paula, Fabíola Trinca, Ozório Trio, Rodrigo Quintanilha,Tatiana Dager, Tantão, Viviane Gueller, Yann Beauvais. Gostaria de agradecer mais uma vez aos colaboradores da última edição, a Rébus 8: Alê Souto, Alessandra Vaghi, Claudia Hersz, Gab Marcondes, Icaro dos Santos, Lu Briotto, Luiza Leite, Mark Philipp, Maya Inbar, Michelle Sommer, Rosane Carneiro, Tatiana Podlubny, Virna Teixeira, Wallace Mazuko.

http://www.fluc.at/

Der Geschmack des Individuellen + TRANSCULTURAL EMANCIPATION: Iris Andraschek, Veronika Burger, Marie Carangi, Michael Gumhold, Claudia Larcher. Thais Medeiros, Jakob Neulinger, Jianan Qu + Viltė Svarplytė, Denise Palmieri, Steffi Parlow, Vocal Naps (Patricia Bustos, Karin Diaz, Anne Glassner, Nicole Krenn, Barbara Pfeiffer, Mona Rabofsky, Fred Riegler, Hartwig Hermann) in Kooperation mit Alfred Lenz und Gernot Fischer-Kondratovitch.

17379803_10211472403062354_474541287_o.jpg17357645_10211472465103905_1493179679_o.jpg

Advertisements
Posted in Uncategorized | Leave a comment

To the Moon

Art thou pale for weariness

Of climbing heaven and gazing on the earth,

Wandering companionless

Among the stars that have a different birth, – 

And ever changing, like a joyless eye 

That finds no object worth its constancy?  

(Percy Bysshe Shelley y Botero)

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Rébus 8 Em breve!

Rebus8_Divulgacao_bx.jpgEsta edição da Rébus apresenta o diálogo entre artistas e poetas contemporâneos e as publicações Signals Newsbulletin, editadas por Paul Keeler e David Medalla, em Londres, nos anos 1964-66. Esses ‘boletins’, em formato de tablóide, traziam a cada número matérias sobre arte e poesia de diversos lugares do mundo, além de dar destaque aos artistas participantes de exposições individuais ou coletivas na galeria Signals, cujo diretor era também o Paul Keller. Chama atenção, ao folhear essas edições, a quantidade de poemas publicados na língua original: francês, espanhol, português, grego, e a quantidade de traduções de escritos de arquitetos, cientistas, pensadores. Os críticos Guy Brett e Jean Clay faziam parte do círculo editorial e foram, assim como David Medalla, muito importantes para a divulgação da arte brasileira fora do Brasil – especialmente nos anos 60. Guy Brett, por exemplo, chegou a publicar nesse jornal com o pseudônimo de Gerald Turner um artigo sobre Sérgio Camargo (ed. 5, 1964). Lygia Clark e Sergio Camargo foram os primeiros artistas brasileiros a ter destaque na publicação, mas Hélio Oiticica, Mira Schendel e tantos outros também tiveram artigos dedicados as suas obras.

Colaboraram nessa edição: Alê Souto, Alessandra Vaghi, Claudia Hersz, Gab Marcondes, Lu Briotto, Luiza Leite, Mark Philipp, Maya Inbar, Michelle Sommer, Rosane Carneiro, Tatiana Podlubny, Virna Teixeira, Wallace Masuko.

Concepção, projeto editorial e traduções: Thais Medeiros

Design gráfico: Icaro dos Santos

 

Posted in Uncategorized | Leave a comment

A Casa do Medo

Leonora Carrington, 1938
Tr. Thais Medeiros

00_A-Casa-do-Medo_Cavalos_IMG_3078.jpg

Posted in Uncategorized | Leave a comment

MM Contrataca

“Meu nome é Sonia Lemos, muito prazer pra quem não me conhece, vulgo MC Xuparina. Sou ex atriz..teza da família, e é isso, sou ex atriz, ex bailarina, e estou aqui tentando a minha vida cantando funk. Fui pra Europa, voltei fudida obviamente, mas to aí, no mundo todo, no Brasil todo, cantando funk, depois de ter estudado 5 anos uma faculdade de teoria teatral lá na Urca – sou formada gente! Palmas para a formação!! Sou formada e estou aqui cantando funk por todo o Brasil, e tenho leituras e leituras. Me dediquei muito a Brecht, quem me der uma brecha eu canto/ Kant, eu canto/ Kant mesmo! E estou aqui fazendo vernissage para os artistas plásticos do Rio de Janeiro, aquela coisa. E pra continuar,…

– Alguém sabe aqui o que que é Xuparina? Não!? Então vamos lá, cartilha da xupação:
Xuparina – meninas e meninos que chupam meninas;
Xuparoca – meninos e meninas que chupam….meninos;
Xupariroca – meninos e meninas que chupam meninos e meninas.

– Xupa-ninguém?Xupa-caô? A partir dessa cartilha vc pode xupar nemo, vc pode xupar artista…diretor, cantor, editor, vc pode xupar a porra toda!! Xupa tudo! É o mundo aberto de xupação”

(Plano B, maio 2010, Despedida da Xupa pra Berlim)

Mc Xuparina

Amiga, talvez exista alguma forma de falar sobre a sua partida, mas me falta agora. Por isso fui ao mar ontem e levei flores, pra me sentir perto de você, fazer algo que eu sei que vc adoraria.  Te amo muito e suas risadas estarão gravadas no meu coração pra sempre.    ❤ ❤

00-mc-xuparina

 

 

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Lastro em Campo, SESC Consolação

Situações de leitura é uma instalação em forma de oferenda pública:  textos impressos em serigrafia são colocados sobre mesas e comidas são servidas. O trabalho já foi realizado em diversas ocasiões, principalmente em espaços públicos, procurando dialogar ou revelar tensões destas localidades (feiras livres, festividades populares, rua, praça, eventos de arte). Aqui, o impresso Situações de leitura trabalha os altares de oferenda e festas do Dia de los muertos – celebração popular mexicana. A saber, o ritual de Santa Muerte também representa o sincretismo mexicano entre a igreja católica e os rituais pré-colombianos. Para essa exposição, foram selecionados poemas do grupo infrarrealista mexicano, praticamente inéditos no Brasil – e alguns desses poemas foram traduzidos. A morte aparece nesses poemas, porém não se tratam de poemas sobre a morte. São poemas para serem lidos enquanto se come o pan.

Poemas de Mario Santiago Papasquiaro, Juan Esteban Harrington, Pedro Damián Bautista, Jorge Hernández Piel Divina, Ramón Méndez Estrada, Bruno Montané Krebs, Cuauhtémoc Méndez Estrada, María Guadalupe Ochoa Ávila
Traduções e projeto editorial Thais Medeiros
Pan de muerto que La Mano amassou por Kadija de Paula
Design do impresso Icaro dos Santos
11/05 – 30/07
R. Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque, São Paulo

 

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Lançamento do livro duas luas em um céu vermelho,  Van Holanda.

VII

cor de mercúrio.

se você fosse uma pedra,

teria cor de mercúrio.

e completaria três rotações

em torno de seu eixo a cada duas órbitas.

e a sua superfície rochosa

iria se vaporizado a tais temperaturas,

formando uma atmosfera de vapor de rocha

que inundaria todo o ar da planície de mares

que corta nossos pulmões

viraria sal.

se você fosse uma pedra, viraria sal

uma montanha de sal no meu peito.

Editora Rébus, março de 2016

Duas-luas-em-um-céu-vermelho_Van-Holanda

Posted in Uncategorized | Leave a comment